• Início
  • Notícias
  • Opinião: «Jornadas Mundiais da Juventude. O que Lisboa e o Mundo têm a ganhar.»

Opinião: «Jornadas Mundiais da Juventude. O que Lisboa e o Mundo têm a ganhar.»

Fui surpreendido, há dias, com esta pergunta: que diferença há entre acolher as Jornadas Mundiais da Juventude ou o Mundial de Futebol?

É verdade que ambos os eventos são planetários, trazem muita gente, fazem mexer uma grande máquina, exigem uma preparação ao milímetro, têm impacto social, implicam e envolvem também autoridades civis… mas são muito diferentes.

A honra, prestígio e responsabilidade de os organizar estarão, na minha perspetiva, no mesmo patamar.

Vivo por dentro este acontecimento juvenil da Igreja católica desde 1997. Chegara eu de Angola, estava a terminar o curso de Comunicação Social na Católica e coordenava já os Jovens Sem Fronteiras (JSF), movimento juvenil missionário. Fui até Paris, de autocarro cheio, com JSF de Portugal e também jovens vindos de Cabo Verde. A experiência foi única para todos, a começar pela riqueza da diversidade que se ganhou numa ida e volta longa, mas feliz. Afinal de contas, o encontro de povos e culturas foi-se fazendo já na estrada!

Paris, a cidade das Luzes, atraia os jovens e, por isso, foi fácil – ou talvez nem tanto – juntar um milhão, ultrapassando todas as estimativas mais bondosas da organização. Não quero perder-me por Paris, mas eu e este milhão percebemos algumas coisas importantes: a Igreja é sem fronteiras, tem todas as raças e cores, é espaço muito plural e criativa. Isto tudo foi experimentado nos workshops, nas exposições, nos concertos, nas celebrações. Finalmente, sentimos ali o vibrar do coração de uma Igreja unida em torno de uma figura emblemática: João Paulo II.

Depois de Paris não parei de ‘viver’ as JMJ. Ajudei a preparar e enviar jovens para Roma (2000), Colónia (2005), Madrid (2011), Rio de Janeiro (2013) e Cracóvia (2016). Este meu compromisso derivou do facto de estar na coordenação dos JSF (até 2012) e na Equipa do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil (até 2017). Desde sempre – posso confirma-lo com segurança – Portugal quis acolher umas JMJ. A ideia corrente de que somos um país pequeno nunca foi razão suficiente para que este evento mundial nos fosse negado. Eu estava convencido de que seria em 2016, aproveitando o centenário das aparições de Fátima, mas Cracóvia ganhou à vontade pois eram os 30 anos das JMJ e Roma queria prestar homenagem ao seu ‘pai’, João Paulo II, o antigo Cardeal de Cracóvia.

As JMJ nasceram com um projeto muito claro, o de dar visibilidade à presença e intervenção dos jovens na Igreja Católica. João Paulo II lançou a iniciativa a nível de Roma (1986), um autêntico balão de ensaio. Depois ‘invadiram’ o resto da Igreja como ondas, escolhendo-se sempre uma praia de ‘rebentamento’. Assim, Santiago de Compostela, Buenos Aires, Manila, Czestochowa, Denver, Paris, Roma, Toronto, Colónia, Sidney, Madrid, Rio de Janeiro, Panamá…ou seja, os quatro cantos do mundo. Lisboa é a praia que se segue…

O Papa Francisco insiste muito na ideia de uma Igreja em saída, na direção das periferias e margens onde vivem os mais pobres. D. José Tolentino de Mendonça, numa crónica do Expresso, recordava que Cristo sempre foi um homem periférico! E esta convicção esteve bem presente na visita do Papa ao campo de extermínio nazi de Auschwitz (Polónia, JMJ 2016) bem como na ida este ano à  prisão de jovens no Panamá. Há gestos que também falam desta vontade do Papa Francisco pôr as novas gerações cristãos atentas às violações dos direitos humanos: encontrou-se com jovens refugiados antes de sair de Roma, visitou e confessou na cadeia no Panamá, mandou parar o seu carro para abençoar um jovem em cadeira de rodas e abraçar uma senhora invisual de 99 anos. São gestos ‘à Papa Francisco’ que os jovens deveriam ‘seguir’, porque integrados já no âmbito das JMJ.

As JMJ querem dar protagonismo aos jovens na Igreja. É uma guerra antiga sem cessar fogo à vista, mas este Papa, nas Jornadas, não se cansa de dizer que os jovens são jogadores de futebol num estádio onde nem há bancada nem banco de suplentes: todos são titulares e devem saltar dos sofás cómodos de casa para o estádio da Missão junto dos mais pobres. Disse isto em Cracóvia e voltou a repetir no Panamá ao afirmar que os jovens não são o futuro, mas o presente da Igreja.

E agora Portugal, e agora Lisboa?

O filme que promove as JMJ em Lisboa já diz muito: aparecem o Presidente da República, o Primeiro-Ministro, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa e o Cardeal Patriarca a dar as boas vindas aos jovens. Todos parecemos interessados no evento aqui. Mas convém não esquecer que se trata de um acontecimento da Igreja Católica e compete a ela traçar o programa e organizar. Haverá um lema, as famílias do país inteiro serão convidadas a abrir as casas e acolher os jovens, as comunidades católicas vão empenhar os seus jovens numa reflexão sobre o ser cristão hoje, serão preparadas catequeses, multiplicar-se-ão pelo país encontros, cuidar-se-à da logística.

Mas, para mim, as JMJ só serão uma aposta ganha se Portugal ganhar no seu todo. Os valores que a Igreja defende em teoria (embora nem sempre os consiga pôr em prática) são a justiça, a paz, o amor e a alegria. Ora, a sociedade portuguesa (e, em particular, os seus jovens) precisa de crescer numa cidadania responsável onde estes valores são decisivos. Envolver o país todos (sobretudo as novas gerações) numa dinâmica em que estes valores sejam discutidos e assumidos pode ser o valor acrescentado destas JMJ em Portugal. Há que construir um futuro com mais justiça, mais reconhecimento da riqueza da diversidade, mais acolhimento ao estrangeiro, mais fraternidade, mais igualdade social, mais ecologia integral, mais e melhor educação e cultura, mais compromissos de cidadania ativa e responsável. E se há dimensão a não esquecer é a da Lusofonia, a que sou particularmente sensível e que foi bastantes vezes referida.

Além disso, como aconteceu com os Encontros de Taizé em Lisboa (2005) e no Porto (2010) e seguindo a tradição dos Fórum Ecuménicos Jovens, estas JMJ podem ajudar a dar um grande salto Ecuménico em Portugal. O Papa Francisco, a este nível, dá-nos lições de excelência. E gostaria de ver repetida a simbólica experiência do Panamá onde as comunidades Islâmica e Judaica apoiaram as JMJ.

As JMJ juntam uma enorme oportunidade e alguns riscos. Pode organizar-se um evento sem cor, com muita festa e organização, mas sem o essencial: passar para o ‘planeta jovem’ a urgência cristã de construir um mundo sem muros e cheio de pontes. Este é coração do Evangelho e o foco da Missão da Igreja segundo o papa Francisco.

Tony Neves
Coordenador ‘Justiça e Paz’ dos Espiritanos
Roma

Redes Sociais