PARA QUE SERVE A TEOLOGIA NUM TEMPO SECULARIZADO? | CICLOS DE REFLEXÃO TEOLÓGICA | 30 de Março a 17 de Maio

 Sobre o sentido e a oportunidade duma licenciatura em Teologia cristã, interconfessional, em sistema EaD, leccionada numa universidade secular.

 

 30 de Março a 17 de Maio | Terças-feiras, das 21h. às 22:30h.

 

 Programa:

 

30 de Março

Reflexão de Abertura

 

5 de Abril

Teologia e Guerra

 

12 de Abril

Teologia, mitos e mundo contemporâneo

 

19 de Abril

Teologia, Cidadania e Secularização

 

26 de Abril

A Pastoral num Mundo Laicizado

 

3 de Maio

Teologia, cultura e espiritualidade

 

10 de Maio

Teologia, Política e as Doutrinas Sociais

 

17 de Maio – Reflexão Final

 

Comissão organizadora: Daniel Mineiro e Joaquim Franco

 

O III Congresso de Cristianismo Contemporâneo (Lisboa, 2023) abordará a “Reconfigurações da Fé na Contemporaneidade”

O Instituto de Cristianismo Contemporâneo (Ciência das Religiões) da Universidade Lusófona vai realizar em Lisboa, de 26 a 28 de Janeiro de 2023, o III Congresso Internacional de Cristianismo Contemporâneo, dedicado à temática “Reconfigurações da Fé na Contemporaneidade”, que se destina a incentivar a investigação científica e sua partilha de resultados na área da religião e espiritualidade cristã, na especificidade dos vários ramos da fé e vivências, assim como no âmbito da sua relação com outras

experiências e expressões religiosas. Trata-se dum evento de natureza estritamente académica e não confessional.

A submissão de propostas de comunicações está aberta até 31 de Outubro

de 2022 num dos seguintes eixos temáticos:
 

Eixo Temático nº. 1 – Desafios teológicos contemporâneos
Eixo Temático nº. 2 – Fé e Cultura
Eixo Temático nº. 3 – Diálogos interconfessionais e inter-religiosos
Eixo Temático nº. 4 – Cristianismo, Democracia e Sociedade Civil
Eixo Temático nº. 5 – Tradição e dogmática face aos textos bíblicos

Eixo Temático nº. 6 – Da ecologia à ecoteologia.
 

Pode encontrar toda a informação, incluindo inscrições, aqui:
https://1congressodecristianismocontemporaneo.wordpress.com/

PARA QUE SERVE A TEOLOGIA NUM TEMPO SECULARIZADO? | CICLOS DE REFLEXÃO TEOLÓGICA | 29 de Março a 17 de Maio

PARA QUE SERVE A TEOLOGIA NUM TEMPO SECULARIZADO? | CICLOS DE REFLEXÃO TEOLÓGICA | 29 de Março a 17 de Maio

 

 Sobre o sentido e a oportunidade duma licenciatura em Teologia cristã, interconfessional, em sistema EaD, leccionada numa universidade secular.

 

29 de Março a 17 de Maio | Terças-feiras, das 21h. às 22:30h.

 

 Programa:

 

29 de Março

Reflexão de Abertura

 

5 de Abril

Teologia e Guerra

 

12 de Abril

Teologia, mitos e mundo contemporâneo

 

19 de Abril

Teologia, Cidadania e Secularização

 

26 de Abril

A Pastoral num Mundo Laicizado

 

3 de Maio

Teologia, cultura e espiritualidade

 

10 de Maio

Teologia, Política e as Doutrinas Sociais

 

17 de Maio – Reflexão Final

 

Comissão organizadora:

Daniel Mineiro e Joaquim Franco

NOVO número da Revista Relicário disponível: DOSSIER AS NOVAS ESPIRITUALIDADE URBANAS

Já Disponível o v. 8 n.16  da Revista Relicário

DOSSIER AS NOVAS ESPIRITUALIDADE URBANAS

Este número apresenta 12 excelentes artigos que foram cedidos com exclusividade à revista por professores doutores da UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS (Lisboa, Portugal), organizados originalmente no formato de livro, ou seja, dividido em partes. .

A equipe editorial da Relicário decidiu publicar esse dossier, mesmo sendo ele produzido por uma única instituição académica, contrariando o cumprimento das normas da CAPES nesse quesito. Essa  decisão, de caráter excecional,  justifica-se pela abordagem original e instigante que o dossier faz de  um assunto muito atual, a qual, com certeza enriquece a área a que se dedica a revista. Como diz Paulo Mendes Pinto, um dos autores: :

Num tempo em que se verificam imensas e profundas alterações no campo da prática e da identidade religiosa, urge também olhar para a matéria mais profunda da criação de significados: os símbolos, as narrativas e os ritos. O desafio lançado neste dossier aos autores foi o de pensar nas possibilidades do símbolo nos dias de hoje, especialmente onde as comunidades e os grupos mais vivamente encetam dinâmicas espirituais. Em seus artigos os autores contemplam o símbolo como  matéria de criatividade espiritual, hermenêutica e existencial, reconfigurando o próprio ambiente urbano.

 

Coordenadores deste número:

José Brissos-Lino – Editor convidado para este número

Paulo Mendes Pinto – Editor convidado para este número

Daniel Mineiro – Editor convidado para este número

Vani Terezinha de Rezende – Editora Responsável

Para mais informações, acesse o site da revista no link :

https://revistarelicario.museudeartesacrauberlandia.com/…

Siga-nos nas nossas Redes Sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/revrelicario

Instagram: https://www.instagram.com/revrelicario/

Twitter: https://twitter.com/revrelicario

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCaQInNIv9Sv9p8ECh0DIqwg

Alimentos Sagrados e Profanos: Uma visão dos alimentos através das espiritualidades | 24 Fev.

INSCRIÇÕES: https://form.jotform.com/220173831782354

Este curso resulta de uma parceria com a Universidade Lusófona e é coordenado por Daniel Mineiro, professor e coordenador de projetos da Universidade Lusófona.O ato de nos alimentarmos é algo precioso no contexto das grandes religiões. Figura divina, homem, mundo e animais são pensados de acordo com uma ética muito específica. Nada é deixado ao acaso, em momento algum a alimentação corresponde a um ter de comer, para sobreviver. Segundo cada visão, existe uma estrutura de mundo, que eleva alguns alimentos ao estatuto de sagrados e desmerece outros, com a denotação de interditos. Este Curso dará conta desta disciplina alimentar, que se vive no seio das grandes religiões e espiritualidades.Como complemento, mas igualmente importante, o curso contempla ainda uma vertente prática, onde teremos aulas de culinária macrobiótica – como cozinhar para as diferentes religiões, tendo em conta as suas especificidades. Objetivos: O Curso Alimentos Sagrados e Profanos será uma grande viagem pelas religiões e espiritualidades. Ao mesmo tempo que abalança na navegação de águas novas, dará conta de regimes alimentares que foram adoptados pelo cristianismo, budismo, islão, esoterismo, judaísmo e Hinduísmo.   Com efeito, permitirá aos alunos:

  • Definir as linhas de pensamento das grandes religiões
  • Perceber quais são os alimentos sagrados e quais são os alimentos profanos, nas diferentes espiritualidades.
  • Elencar que tipo de alimentos são consumidos nos períodos festivos das diferentes espiritualidades.
  • Determinar que tipo de rituais estão associados ao consumo de determinado tipo de alimentos.

Este curso é para si, se:

  • Procura saber mais sobre as grandes religiões.
  • Procura conhecer os regimes alimentares de outras religiões.
  • Procura distinguir os alimentos sagrados dos profanos, segundo o preceito das diferentes religiões.
  • Tem interesse pelos períodos festivos em que diferentes alimentos são consumidos.
  • Tem formação na área da culinária e quer acrescentar conhecimento sobre os vários regimes alimentares associados às religiões.

 

O curso oferece uma conjugação única da experiência de vários formadores, com um vasto conhecimento na área.
PROGRAMA:
24 FEV. – A COZINHA DO SAGRADO com Paulo Mendes Pinto
3 MAR. – NOVOS MOVIMENTOS RELIGIOSOS E A MUDANÇA NA ALIMENTAÇÃO com Jorge Botelho Moniz
10 MAR. – O CUIDAR DO CORPO E A AFIRMAÇÃO TEOLÓGICA com Joaquim Moreira
17 MAR. – O ISLÃO E A ALIMENTAÇÃO com Fabrizio Boscaglia  
17 MAR. – AULA DE CULINÁRIA: ISLÃO com Sónia Jordão  
24 MAR. – O ESOTERISMO E A ALIMENTAÇÃO com Rui Lomelino Freitas   
24 MAR – AULA DE CULINÁRIA: ESOTERISMO  com Sónia Jordão
31 MAR. – O JUDAÍSMO E A ALIMENTAÇÃO com José Caria Mendes
31 MAR. –  AULA DE CULINÁRIA: JUDAÍSMO com Sónia Jordão
7 ABR. – O CRISTIANISMO E A ALIMENTAÇÃO com José Brissos-Lino e Daniel Mineiro 14 ABR. – O HINDUÍSMO E A ALIMENTAÇÃO com Paulo Hayes
14 ABR. – AULA DE CULINÁRIA: HINDUÍSMO com Sónia Jordão  
 

HORÁRIOS:

  • O curso decorre de 24 de Fevereiro a 14 de Abril.
  • As aulas decorrem às quintas-feiras, das 18h às 19h30h as aulas teóricas e das 19h30 às 21 as aulas de culinária.
  • Carga horária: 18h

  O Curso decorre no formato presencial. Se tiver interesse pelo formato online, por favor entre em contacto connosco através do email:

info@institutomacrobiotico.com

VI JORNADAS DE HISTÓRIA, Filosofia Hermética e Património Simbólico | 19 FEV | 14H às 20H

 

VI JORNADAS DE HISTÓRIA, Filosofia Hermética e Património Simbólico | 19 FEV | 14H às 20H

 

Livraria-Galeria Municipal Verney

Presencial e On-Line no Facebook das Bibliotecas Municipais e do Município de Oeiras

 

PROGRAMA:

O TEMPLARISMO COMO PATRIMÓNIO ESPIRITUAL

14h00 | Conferência de abertura: “A herança espiritual dos Templários”, Rui Lomelino Freitas

14h30 | Os Templários na História e o ideal de cavalaria

“Os Templários e a “possibilidade” de Portugal”, António Balcão Vicente

“Artur: das fontes galesas ao romance da cavalaria”, Angélica Varandas

“A transformação das Ordens Militares em Honoríficas”, Vítor Escudero

16h30 | O Templarismo na criação de uma identidade

“A via espiritual Neotemplária e a Mudança Individual”, Luís Matos

“Os Templários em Portugal à luz da especulação providencialista”, Nuno Gonçalves

17h30 | A atualização de um imaginário

“O Templarismo como Fraternidade”, Francisco Queirós

“O Templarismo na atualidade: motivos de atração”, Víctor Varela Gomes

“Do Templo ao Neotemplarismo ao Pseudo-Templarismo”, José Manuel Gandra

18h30 | Conferência de encerramento: “O Neo-templarismo e a Maçonaria”, Juan Almirall Arnal

 

Organização: Linha de Investigação em Gnose e Esoterismo Ocidental – Ciência das Religiões – ULHT

Participação Gratuita, sujeito a inscrição: galeria.verney@oeiras.pt; tel: 21 440 83 29

 

 

Estão abertas as inscrições: propostas de comunicação para o Grupo de Trabalho 10: CATOLICISMO, ECUMENISMO E DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO

Estão abertas as inscrições: propostas de comunicação para o Grupo de Trabalho 10: CATOLICISMO, ECUMENISMO E DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO, no âmbito do II Simpósio Internacional de Estudos do Catolicismo.

Prof. Doutor Jorge Botelho Moniz
(Universidade Lusófona)
Prof. Doutor José Brissos-Lino
(Universidade Lusófona)
Prof. Doutor Paulo Mendes Pinto
(Grupo Lusófona Brasil)

 

Normas de submissão

Inscrição

Resumo: Acreditava-se que o Concílio Vaticano II teria sido uma revolução, pelo menos no domínio das mentalidades. Acreditava-se que seria um virar de página na postura da Igreja Católica face a um mundo em profunda transformação, ferido por duas guerras mundiais que deixaram a população europeia mais descrente e dececionada com as instituições religiosas. Considerava-se necessária uma mudança substantiva no diálogo ecuménico e, para tal, João XXIII procurou modernizar a Igreja e atrair fiéis afastados. Passaram quase sessenta anos e muito desse otimismo ficou pelo caminho, pois, apesar dos importantes documentos gerados no Concílio, o catolicismo continuou a sofrer de clericalismo e foi perdendo influência na sociedade durante a segunda metade do século vinte. Além disso, os Estados (sobretudo europeus) foram-se laicizando e, consequentemente, no diálogo com o catolicismo, colocaram a tónica na liberdade religiosa. Com o Concílio Vaticano II, nomeadamente com a Declaração Dignitatis Humanae (1965), o princípio da liberdade religiosa surge amadurecido dentro do catolicismo, adequando-se ao direito civil e garantindo que os cidadãos, individual ou coletivamente, possam viver e manifestar livremente a dimensão religiosa inerente ao ser humano. Desde os Papas Paulo VI a João Paulo II, Bento XVI a Francisco que a Igreja coloca este tema, como manifestação mais profunda da liberdade de consciência, em grande consideração, levantando questões antropológicas, políticas e teológicas que se afiguram incontornáveis para o bem comum e a paz mundial. Todavia, atualmente, não obstante o reforço do direito civil e a promoção e afirmação deste princípio, as novas ameaças à liberdade religiosa acumulam-se e assumem dimensões globais, colocando em risco valores morais. Neste contexto, a Igreja é interpelada a revisitar a sua visão sobre liberdade religiosa e a agir com base nos seus princípios adjacentes – diálogo inter-religioso e ecumenismo. De facto, a par de uma afirmação pública, de grande significado político, da necessidade do diálogo inter-religioso, como no caso do encontro entre o Papa Francisco e o Grão Imame Al-Tayyeb e da “Declaração de Abu Dhabi”, bem como da encíclica Fratelli Tutti, a Igreja Católica mantém uma ação ecuménica que visa a união das Igrejas Cristãs. A par desta valorização do diálogo com outras religiões, no espaço do cristianismo, a competição revela-se viva, seja no campo de uma Europa pós-cristã, seja no de uma América, África ou Ásia onde as Igrejas Evangélicas revelam uma maior eficácia no crescimento e na fidelização de membros. Nesta equação, considerando a necessidade de a Igreja Católica se afirmar como caixa de ressonância dos valores humanistas e até iluministas de fraternidade, emerge uma questão: – qual a atualidade e pertinência do Concílio Vaticano II para a articulação da sua mensagem cultural de integração com uma teologia de salvação? É sobre estas questões e os seus elementos constituintes – catolicismo, liberdade religiosa, ecumenismo e diálogo inter-religioso – que o nosso GT se vai debruçar. Assim sendo, este GT está aberto a todas as propostas que, tendo como pano de fundo os objetivos do Simpósio, consigam colocar em diálogo estas dimensões do catolicismo com o impacto, relevância e atualidade do Concílio Vaticano II.

 

Palavras-chave: catolicismo; liberdade religiosa; ecumenismo; diálogo inter-religioso; Concílio Vaticano II.

Pós-Graduação em Representações da Cultura Religiosa (EaD) | 7 de Abril

Este Curso será leccionado no sistema de ensino à distância (EaD) e aborda as diversas
representações da cultura religiosa, em especial no âmbito da Literatura, das Artes e da
Música, com ênfase na tradição cristã.
Pretende-se reflectir sobre as sobreposições entre Religião e Cultura, desde sempre
presentes nas comunidades humanas até à vida contemporânea. Esta PG colocará o foco
no património cultural presente na dimensão religiosa cristã do Ocidente, que marcou
indelevelmente o seu pensamento e cultura, sem esquecer outras influências religiosas.
Espera-se que os alunos adquiram competências gerais de compreensão da forte
influência religiosa presente em todo o campo cultural e da igualmente importante
influência das culturas humanas no domínio do religioso.
Destina-se preferencialmente a estudantes e graduados em Letras, Teologia, Ciência das
Religiões, Música, Artes, Museologia, mas também nas Ciências Sociais e Humanas,
assessoria religiosa e cultural, assim como outros interessados no universo cultural e/ou
religioso em geral.
Estrutura do curso
Esta PG, que conta com um grupo significativo de conferencistas convidados, nacionais
e estrangeiros, prevê 8 módulos de 15 horas cada e no final confere um Certificado de
competências com 24 ECTS.
Módulo 1: Representações literárias do religioso
Módulo 2: O Sagrado Feminino
Módulo 3: Representações religiosas no campo das Artes
Módulo 4: História das Ideias Religiosas
Módulo 5: Religião e Comunicação
Módulo 6: A Música e o divino
Módulo 7: Arte Sacra
Módulo 8: Introdução à Cultura Bíblica
Os módulos que a isso se proporcionem incluirão visitas de estudo (Museus, Biblioteca
Nacional, Torre do Tombo, Sociedade de Geografia de Lisboa e outros locais de
interesse).
Direcção do curso: José Brissos-Lino
Docentes: Alexandre Honrado; Floriana Oliveira; José Brissos-Lino; Lidice Meyer
Pinto Ribeiro; Maria João Pereira Coutinho; Márcia Marat Grilo
Data de início: 7 de Abril de 2022
Horário: pós-laboral, Quintas-feiras, das 18H00 às 22H00 (hora de Portugal)
Inscrições aqui:
https://www.ulusofona.pt/pos-graduacoes/representacoes-da-cultura-religiosa

Curso livre E-learning As Mulheres na Vida de Jesus | 5 de fevereiro

Desde o início da humanidade, a mulher desempenhou os papéis essenciais de reprodução e cuidado, mas também atuou diretamente na institucionalização e preservação da prática religiosa. As mulheres estiveram presentes em toda a vida de Jesus, desde o seu nascimento até a sua morte e ressurreição.  Este curso tem como propósito a releitura crítica das histórias das mulheres nos Evangelhos em seu contexto sociopolítico, econômico e religioso.

 

Direcção e docência: Profa. Doutora Lidice Meyer Pinto Ribeiro (ICC/ULHT)

 

Data: O curso inicia no dia 5 de fevereiro de 2022 e se encerra em 5 de março. Não haverá aula no dia 26 de fevereiro.

 

Horário: As aulas acontecerão ao vivo, aos sábados, às 15h do Brasil / 18 h (Portugal) através da plataforma Zoom.

Cada aula terá a duração de 1 hora de exposição, seguida de 30 minutos para perguntas e debates.

 

Valor do curso: 20 euros

 

Programa do curso:

Aula 1: As mulheres na genealogia de Jesus

Resumo: Estudo das histórias e importância das cinco mulheres presentes na Genealogia de Jesus no Evangelho de Mateus: Tamar, Raabe, Rute, Bate-Seba e Maria.

Aula 2: As mulheres na infância de Jesus

Resumo: Estudo da presença e importância das mulheres na formação de Jesus durante a sua infância.

Aula 3: As mulheres no ministério de Jesus

Resumo: Estudo da vida e importância das mulheres nomeadas que acompanharam Jesus em seu ministério.

Aula 4: As mulheres anónimas na vida de Jesus

Resumo: Estudo das mulheres anónimas que fizeram parte da vida e dos ensinos de Jesus.

 

Mais informações e inscrição e pagamento: https://cursos.lusofona-x.pt/courses/course-v1:LusofonaX+MVJ+00/about

Alimentos Sagrados e Profanos: Uma visão dos alimentos através das espiritualidades | 24 Fev. | Presencial

 Este curso resulta de uma parceria com a Universidade Lusófona e é coordenado por Daniel Mineiro, professor e coordenador de projetos da Universidade Lusófona.O ato de nos alimentarmos é algo precioso no contexto das grandes religiões. Figura divina, homem, mundo e animais são pensados de acordo com uma ética muito específica. Nada é deixado ao acaso, em momento algum a alimentação corresponde a um ter de comer, para sobreviver. Segundo cada visão, existe uma estrutura de mundo, que eleva alguns alimentos ao estatuto de sagrados e desmerece outros, com a denotação de interditos. Este Curso dará conta desta disciplina alimentar, que se vive no seio das grandes religiões e espiritualidades.Como complemento, mas igualmente importante, o curso contempla ainda uma vertente prática, onde teremos aulas de culinária macrobiótica – como cozinhar para as diferentes religiões, tendo em conta as suas especificidades. Objetivos: O Curso Alimentos Sagrados e Profanos será uma grande viagem pelas religiões e espiritualidades. Ao mesmo tempo que abalança na navegação de águas novas, dará conta de regimes alimentares que foram adoptados pelo cristianismo, budismo, islão, esoterismo, judaísmo e Hinduísmo.   Com efeito, permitirá aos alunos:

  • Definir as linhas de pensamento das grandes religiões
  • Perceber quais são os alimentos sagrados e quais são os alimentos profanos, nas diferentes espiritualidades.
  • Elencar que tipo de alimentos são consumidos nos períodos festivos das diferentes espiritualidades.
  • Determinar que tipo de rituais estão associados ao consumo de determinado tipo de alimentos.

Este curso é para si, se:

  • Procura saber mais sobre as grandes religiões.
  • Procura conhecer os regimes alimentares de outras religiões.
  • Procura distinguir os alimentos sagrados dos profanos, segundo o preceito das diferentes religiões.
  • Tem interesse pelos períodos festivos em que diferentes alimentos são consumidos.
  • Tem formação na área da culinária e quer acrescentar conhecimento sobre os vários regimes alimentares associados às religiões.

 

O curso oferece uma conjugação única da experiência de vários formadores, com um vasto conhecimento na área.
PROGRAMA:
24 FEV. – A COZINHA DO SAGRADO com Paulo Mendes Pinto
3 MAR. – NOVOS MOVIMENTOS RELIGIOSOS E A MUDANÇA NA ALIMENTAÇÃO com Jorge Botelho Moniz
10 MAR. – O CUIDAR DO CORPO E A AFIRMAÇÃO TEOLÓGICA com Joaquim Moreira
17 MAR. – O ISLÃO E A ALIMENTAÇÃO com Fabrizio Boscaglia  
17 MAR. – AULA DE CULINÁRIA: ISLÃO com Sónia Jordão  
24 MAR. – O ESOTERISMO E A ALIMENTAÇÃO com Rui Lomelino Freitas   
24 MAR – AULA DE CULINÁRIA: ESOTERISMO  com Sónia Jordão
31 MAR. – O JUDAÍSMO E A ALIMENTAÇÃO com José Caria Mendes
31 MAR. –  AULA DE CULINÁRIA: JUDAÍSMO com Sónia Jordão
7 ABR. – O CRISTIANISMO E A ALIMENTAÇÃO com José Brissos-Lino e Daniel Mineiro 14 ABR. – O HINDUÍSMO E A ALIMENTAÇÃO com Paulo Hayes
14 ABR. – AULA DE CULINÁRIA: HINDUÍSMO com Sónia Jordão  
 

HORÁRIOS:

  • O curso decorre de 24 de Fevereiro a 14 de Abril.
  • As aulas decorrem às quintas-feiras, das 18h às 19h30h as aulas teóricas e das 19h30 às 21 as aulas de culinária.
  • Carga horária: 18h

  O Curso decorre no formato presencial. Se tiver interesse pelo formato online, por favor entre em contacto connosco através do email:

info@institutomacrobiotico.com

Curso livre em Mística e Místicos no Cristianismo | 2 de Fevereiro | 19h às 21h

Apresentação do Curso

Atualmente o fenómeno místico é objeto de múltiplas abordagens que interessam não só à teologia e à ciência das religiões, como à psicologia, à psicopatologia e até mesmo à psicofísica, com o objetivo de estudar “cientificamente” os fenómenos místicos (levitação, estigmatização, êxtase) que são considerados extraordinários, até serem considerados como provas de santidade ou de união inédita com Deus.
Com origem no termo grego “ocultar”, a mística cristã tem três dimensões: a bíblica, refere-se a interpretações ocultas ou alegóricas das Escrituras; a litúrgica, refere-se à presença de Cristo na Eucaristia; e, a espiritual, o conhecimento contemplativo, ensinando verdades espirituais inacessíveis apenas por meio do intelecto.

Direção do Curso

Luís Larcher

Sub-direção de Curso

Catarina Martins

 

Objetivos

Conhecer a mística cristã, na história do cristianismo, na reflexão teológica e espiritual, na centralidade da Pessoa e do mistério de Cristo, na exegese bíblica, na cultura, na linguagem e na simbólica, e, sobretudo no peso que a mística teve na perceção da união do homem com Deus e dos fenómenos identificadores da presença do Espírito Santo na história da Igreja;
– Conhecer a teologia ascética, mística e espiritual cristã;
– Conhecer os místicos e os desafios que lançaram ao cristianismo;
– Interpretar os fenómenos místicos.

Quero receber informações sobre o curso

Data de Início Prevista: 03/02/2022
Data de Fim Prevista: 30/06/2022
Data Limite de Candidatura: 03/02/2022

Horário Previsto: 19:00 às 21:00

Programa do curso:

1. Mística e Misticismo
2. História da Mística
3. Sustentação Teológica, Bíblica e Padres da Igreja
4. Ascese e Mística
5. Mística Cristã
– Práxis: Eros e Ágape
– Desejo de Deus e do Amor
– Mística e Afetividade
– Corpo Espiritual
– Caminho da Conversão
– Lectio Divina e Meditação
6. Experiência Mística Cristã: identidade e estrutura
7. Elementos constitutivos do misticismo cristão: a experiência mística, passividade e conhecimento contemplativo
8. Tipos de experiência mística cristã: essência mística; misticismo nupcial; misticismo de ausência.
9. Dons e Fenómenos Místicos
10. Estudos filosóficos da mística
11. Mística e Poesia
12. Figuras Místicas no Cristianismo Antigo, mensagem e impacto na cultura e teologia cristãs
13. Figuras Místicas na Idade Média, mensagem e impacto na cultura e teologia cristãs
14. Figuras Místicas na Época Moderna, mensagem e impacto na cultura e teologia cristãs
15. Figuras Místicas na Época Contemporânea, mensagem e impacto na cultura e teologia cristãs
16. Místicos Portugueses

Curso online “Especialização em História de Israel e Cristianismo das Origens” | 8 de abril

Objetivo: compreender as bases da civilização ocidental que se construiu essencialmente sobre os pilares do mundo greco-romano, do profetismo hebraico e do cristianismo, com as contribuições da cultura islâmica, os condicionamentos geopolíticos e as relações diplomáticas globais.

Início das aulas síncronas dia 8 de abril.
Duração total: 10 meses.

informações e inscrições: https://www.ucs.br/site/especializacao/detalhes/historia-de-israel-e-cristianismo-das-origens-presencial-digital/

“Matar os nossos deuses” – a propósito do Dia Mundial da Religião

“Matar os nossos deuses” – a propósito do Dia Mundial da Religião

Vítor Rafael | 14 JAN

Celebra-se neste terceiro domingo de janeiro o Dia Mundial da Religião, que promove a ideia da compreensão e a paz entre todas as religiões. Através de uma série de eventos realizados em todo o mundo, os seguidores de todas as religiões são incentivados a conhecer e a aprender mais acerca das outras religiões e respetiva fé. Reconhecendo-se que, durante séculos, as diferentes religiões e credos lutaram muitas vezes entre si, ignorando muitos dos seus valores comuns, torna-se, pois, necessário que se trabalhe em prol de um entendimento pacífico entre todos.

De facto, as religiões sempre foram foco de discórdia e conflito, promovendo por vezes o uso da violência em nome de Deus. No caso particular do cristianismo, estando atualmente dividido em três grandes grupos – católico, ortodoxo e protestante – com um sem número de diferentes denominações independentes com as suas referenciadas culturas, ritos e credos, sempre existiram focos potencias de discórdia e conflito. Mas será o sagrado violento por natureza? Será que o Deus das três religiões abraâmicas é deveras violento? Como interpretamos hoje a violência tantas vezes contida nos textos sagrados?

Sendo verdade que a religião tem sido muitas vezes instrumentalizada pelo poder político para fins violentos, o fenómeno da violência no religioso é também ele associado aos fundamentalismos, decorrente de leituras literais e legalistas dos textos sagrados. A imagética que se tem acerca de Deus, principalmente essa negativa e destrutiva, sempre tem acompanhado todo o processo de compreensão do transcendente. Seria necessário, como apontou o teólogo José Maria Mardones, “matar os nossos deuses”, de maneira que se possa aceder à verdadeira imagem de Deus, que para os cristãos é plenamente revelada através de Jesus. Perante a ideia de um deus irado e vingativo apresentado pelos seus conterrâneos, Jesus contrapõe um Deus de paz, amoroso e pleno de misericórdia para com todos.

Neste terceiro milénio, num mundo cada vez mais globalizante, impõem-se agora novos desafios às igrejas, onde o discurso religioso terá de se adequar à mentalidade pós-moderna, repensando muitas das suas metanarrativas e discursos dogmáticos, os quais estão muitas vezes na génese de movimentos fundamentalistas ultraconservadores.

Relembra-se o discurso proferido pelo antigo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon na abertura da Semana Mundial da Harmonia Inter-religiosa, em fevereiro de 2013: “Para milhares de milhões de pessoas em todo o mundo, a fé é um alicerce essencial da vida. Ela proporciona força em tempos de dificuldade e um importante sentido de comunidade. A grande maioria das pessoas de fé vive em harmonia com os seus vizinhos, qualquer que seja o seu credo, mas cada religião também abriga uma estridente minoria preparada para afirmar doutrinas fundamentalistas através do fanatismo e violência extrema. Estes actos são uma afronta à herança e aos ensinamentos de todas as grandes religiões. Eles também violam a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que afirma o direito de todos à liberdade de pensamento, consciência e religião. É imperativo que a maioria moderada se habilite de forma a permanecer firme contra as forças do extremismo. Mas, isto só pode ser alcançado através de uma forte liderança.”

Para tal, torna-se assim, mais do que nunca, necessário persistir na importância do diálogo interconfessional entre todas as religiões como ação profilática contra a violência. Relembrando uma das grandes teses do teólogo Hans Küng: “Não há paz entre as nações sem paz entre as religiões. Não há paz entre as religiões sem diálogo entre as religiões. Nenhum diálogo entre as religiões sem investigação da fundação das religiões.” (O Cristianismo. Essência e História, Círculo de Leitores, 2002)

Dos vários modelos propostos para o diálogo inter-religioso, não poderíamos deixar de destacar o do próprio Jesus. Sendo ele próprio um judeu, cuja religião sublinhava a eleição exclusiva dos judeus como povo de Deus, não deixa de ser marcante que, durante o seu ministério, tenha estabelecido encontros com uma mulher fenícia e com uma samaritana. Uma das suas mais célebres parábolas, a parábola do Bom Samaritano e até a referência que Jesus fez acerca da fé de um oficial romano deixam, desde logo, exemplos notáveis da sua abertura aos pagãos.

O anúncio do Reino de Deus por Jesus, cujo manifesto não é tanto um conjunto de crenças ou dogmas – algo que por vezes promove barreiras, cismas – mas o paradigma da sua própria vida, a proclamação das boas novas em favor dos pobres e oprimidos (Evangelho de Lucas 4:16-19), abre as pontes para o diálogo, a paz e concórdia entre as religiões. Afinal a compaixão, umas das características mais marcantes da pessoa de Jesus e objeto da Sua mensagem, poderá ser, assim, um grande polo de união entre as diferentes religiões na luta contra a pobreza, o analfabetismo, o trabalho infantil, o assédio às mulheres, o terrorismo, a destruição do meio ambiente e a exploração dos marginalizados, incluindo os emigrantes.

 

Vítor Rafael é investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo, da Universidade Lusófona

Veja mais em: https://setemargens.com/matar-os-nossos-deuses-a-proposito-do-dia-mundial-da-religiao/?utm_term=Padre+preso+na+%3F%3Fndia+acusado+de+converter+hindus&utm_campaign=Sete+Margens&utm_source=e-goi&utm_medium=email

O Prof. Pedro Pereira, investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo/CICMER acabou de publicar a obra “Em busca da saúde: O culto da Senhora da Saúde numa perspectiva antropológica”

O Prof. Pedro Pereira, investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo/CICMER acabou de publicar a obra “Em busca da saúde: O culto da Senhora da Saúde numa perspectiva antropológica” (ed. HUMUS, Porto, ISBN: 9789897556807).
Trata-se dum trabalho centrado no culto da Senhora da Saúde.

SINOPSE: Considerando o elevado prestígio de que se reveste o saber biomédico na atualidade, no presente livro procura-se compreender as motivações que levam as pessoas a recorrer à Senhora da Saúde para lidar com a doença, com o sofrimento
e para promover a sua saúde.
A interligação entre saúde e religião presente neste culto sugere a necessidade da realização de uma genealogia das conceções de saúde, de doença e das estratégias de cura, ao longo da história do cristianismo e do período precedente.
Tendo como alicerces a antropologia da religião e da saúde, o culto em causa é situado no universo de devoção mariana, descrevendo o seu nascimento, o seu desenvolvimento e a sua difusão.
Articulando o espaço com o movimento, são analisados os lugares de culto da Senhora da Saúde e descritos os movimentos de crentes e de imagens.

Em busca de saúde_Novidades 16NOV21_humus

Redes Sociais