• Início
  • Notícias
  • Opinião: O velho equívoco político da Igreja, por José Brissos-Lino

Opinião: O velho equívoco político da Igreja, por José Brissos-Lino

O velho equívoco político da Igreja

Zelma Brezinska / EyeEm/ Getty Images

Os ecos da promiscuidade político-religiosa de países do continente americano soam estranhamente na Europa, a quem a modernidade ensinou a separar as águas, para benefício mútuo dos Estado e das religiões

No Islão, mesmo os países considerados democráticos revelam uma grande dificuldade em respeitar o princípio laico da liberdade religiosa. Tal circunstância decorre duma certa interpretação corânica inspirada na sharia, que resulta em não conseguir separar a vida pública da religião nem da vida privada dos cidadãos. No Ocidente vemos hoje emergir fenómenos sociais de recorte populista também através da via religiosa, como nos Estados Unidos com figuras como Donald Trump, ou no Brasil, com Bolsonaro, enquanto versão tropical do primeiro.

Do ponto de vista do cristianismo consideremos a vertente católica-romana como ocupando um lugar à parte, tanto pelo facto de se organizar em sistema de pirâmide, como por ter a sua sede mundial num território independente – o Vaticano – e por isso o seu chefe máximo se apresentar como chefe de Estado, sendo também um líder político, embora sui generis. Isto permite exercer uma influência inigualável por comparação com as demais confissões cristãs. Embora o arcebispo de Cantuária ocupe o lugar de líder espiritual da Igreja de Inglaterra e referência da Comunhão Anglicana – sendo a rainha a sua chefe formal –, a verdade é que os anglicanos não possuem a mesma visibilidade ou poder político.

Porque o mundo protestante não se organiza em estrutura de pirâmide, é raro surgirem líderes que os representem a nível global. O evangelista americano Billy Graham (falecido em 2018) foi uma excepção, dada a sua notoriedade, que lhe advinha do facto de ter pregado em grandes campanhas evangelísticas por todo o mundo. Foi o primeiro a conseguir juntar lado a lado, num mesmo estádio, negros e brancos na África do Sul ainda sob o regime do aparthaid, e o único a ter acesso a regimes comunistas antes da queda do Muro de Berlim. Mas também se tornou conhecido por ter desempenhado o papel de conselheiro de presidentes dos Estados Unidos, como Eisenhower, Nixon, Johnson, Bill Clinton e a família Bush.

O facto é que as igrejas cristãs sempre procuraram mover-se próximo do poder secular. E as que não tinham acesso aos corredores do poder ansiavam por isso, numa evidente contradição com o princípio bíblico e os ensinamentos de Cristo, que sempre afirmou: “O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui” (João 18:36). E quando foi confrontado com uma questão política, a partir duma pergunta sobre o pagamento de impostos a Roma, fez questão de separar as águas: “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Lucas 20:25). Podemos então dizer que foi o próprio Jesus Cristo o primeiro a invocar o princípio do estado laico.

Então por que motivo a Igreja nalguns países revela ânsia de estar perto do poder, para o influenciar ou mesmo exercer? Talvez porque a Igreja se deixou seduzir pela glória dos homens, que Jesus sempre rejeitou: “Eu não recebo glória dos homens” (João 5:41). Ou porque deixou de acreditar que a Igreja pertence a Cristo e que é Ele mesmo quem a defende e não a classe política: “(…) edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16:18). Alguns dos líderes judaicos punham a sua fé no Nazareno mas não o assumiam em público por causa dos radicais (fariseus) que os poderiam expulsar do meio religioso: “Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus” (João 12:43).

Grupos neopentecostais e igrejas evangélicas tomam Bolsonaro como ungido de Deus, atirando assim para o lixo os seus próprios princípios éticos, além da boa educação e do senso comum. O mesmo fazem os evangélicos americanos à volta de Trump. A sede do poder é tão grande que cega o entendimento. No caso brasileiro trata-se duma reacção epidérmica a décadas de corrupção, à persistente insegurança e à agenda fracturante dos governos anteriores.

Mas este sector religioso tem vindo a investir fortemente e há décadas na política, fazendo eleger os seus pastores – que deviam dedicar-se antes ao ministério – como prefeitos, vereadores e parlamentares, através do sistema do “curral eleitoral” (fazendo campanha nos púlpitos e dando aí indicação pública de voto!) a fim de beneficiar as igrejas. Uma dupla perversão, quer do múnus pastoral, quer do verdadeiro propósito da política. Um desastre, que levou até a chamada “bancada (parlamentar) da Bíblia” a revelar-se como a mais corrupta do país…

A cereja em cima do bolo foi agora a unção com óleo e oração – com pompa e circunstância – por um líder neopentecostal corrupto em favor do católico Bolsonaro, que já tinha prestado apoio anteriormente, pelo menos a Lula, Dilma e Temer. Ou seja, o que interessa mesmo é estar colado ao poder. E tanto melhor quando se retribuem os favores.

http://visao.sapo.pt/opiniao/2019-09-11-O-velho-equivoco-politico-da-Igreja

Redes Sociais